LIVRO Fanny: Estudo PDF Ernest Feydeau

BAIXAR LIVRO ONLINE

Resumo

Em Portugal existe uma unica opinião sobre Arte e abrange uma tão colossal maioria que receio que ella impere por esmagamento. Essa opinião é a do Ex.^mo sr. dr. José de Figueiredo (gago do governo). Não é porque este snr tenha opinião nem que este snr seja da igualha do resto de Portugal mas o resto de Portugal e este senhor em materia de opinião são da mesma igualha. Um dia um senhor grisalho disse-me em meia-hora os seus conhecimentos sobre Arte. Quando acabou a meia-hora descobri que os conhecimentos do senhor grisalho sobre Arte eram os mesmos que o Ex.^mo senhor Dr. José de Figueiredo usava para me pedir um tostão. [1] Pensa o leitor que faço a anedocta? Antes fôsse. Mas a verdade é que eu estou muito triste com esta furia de incompetencia com que Portugal participa na Guerra Europeia. E que horrôr, caros compatriotas, deduzir experimentalmente que de todas as nossas Conquistas e Descobertas apenas tenha sobrevivido a Imbecilidade. E daqui a indiferença espartilhada da familia portugueza a convalescer á beira-mar. Algumas das raras energias mal comportadas que ainda assômam à tôna d’agua pertencem halucinadamente a seculos que já não existem e quando Um Portuguez, genialmente do seculo XX, desce da Europa, condoído da patria entrévada, para lhe dar o Parto da sua Intelligencia, a indiferença espartilhada da familia portugueza ainda não deslaça as mãos de cima da barriga. Pois, senhores, a Exposição de Amadeo de Souza-Cardoso na Liga Naval de Lisboa é o documento conciso da Raça Portugueza no Seculo XX. [1] Rectifico:—O Ex.^mo Snr Dr. José de Figueiredo veio substituir no original um Ex.^mo Snr. que tem por habito pedir-me tostões. A Raça Portugueza não precisa de rehabilitar-se, como pretendem pensar os tradicionalistas desprevenidos; precisa é de nascer pró século em que vive a Terra. A Descoberta do Caminho Maritimo prá India já não nos pertence porque não participamos d’este feito fisicamente e mais do que a Portugal este feito pertence ao seculo XV. Nós, os futuristas, não sabêmos Historia só conhecêmos da Vida que passa por Nós. Elles teem a Cultura, Nós temos a Experiencia—e não trocâmos